sexta-feira, 25 de novembro de 2022

Feira do Livro do Natal


As Bibliotecas Escolares de Alcoutim têm o prazer de anunciar a Feira do Livro do Natal que terá lugar nos dias 28 a 30 de novembro.
No dia 28, realizar-se-á em Alcoutim, junto à Casa dos Condes. Nos dias 29 e 30, terá lugar na Escola Básica Prof. Joaquim Moreira, em Martim Longo.
A Feira do Livro do Natal é uma iniciativa das Bibliotecas Escolares de Alcoutim em parceria com a Papelaria e Livraria Sagres, de Faro, contando com o apoio do Município de Alcoutim.




24 de novembro - Dia Mundial das Ciências

O dia 24 de novembro é o Dia Mundial das Ciências. Deixamos duas sugestões de leitura.

Celebramos também, nesta data, o grande Rómulo de Carvalho, poeta, autor dramático, cientista e historiador que nasceu a 24 de novembro de 1906, na cidade de Lisboa, e aí morreu a 19 de fevereiro de 1997. Rómulo de Carvalho sob o pseudónimo de António Gedeão deixou muitas obras de poesia, entre as quais, a mais famosa «Lágrima de preta».

O Clube de Leitura explorou o poema da sua vasta obra «Impressão digital» através do qual os alunos fizeram atividades de descoberta de si e dos outros. 

sábado, 12 de novembro de 2022

O que comias, avô / avó? - Migas

Prosseguindo a execução do projeto O que comias, avô / avó?, eis mais uma sessão de filmagens. Desta vez, as protagonistas foram as migas.

Este projeto, promovido pela Associação Alcance no âmbito do projeto global «Raízes para o futuro» (CLDS-4G do concelho de Alcoutim), está a ser desenvolvido pela turma do nono ano de escolaridade.


quarta-feira, 9 de novembro de 2022

Sensibilização sobre Riscos Naturais

Dia 10 de novembro, no âmbito do Projeto de Educação para a Cidadania do Agrupamento e na sequência do exercício A TERRA TREME levado a cabo no dia 9 de novembro, os alunos dos 2.º e 3.º ciclos vão ter a oportunidade de assistir a sessões de sensibilização dinamizadas pelo Coordenador Municipal de Proteção Civil de Alcoutim, Sr. João Carlos Simões. 

Esta iniciativa, proposta pelas professoras das disciplinas de Cidadania e Desenvolvimento, destina-se a alertar os alunos sobre a temática dos Riscos Naturais “ Seca, Inundações, Ondas de calor, Vagas de Frio, Trovoadas, Tornados, sismos, Tsunami e Incêndios Florestais e Incêndio na Escola ( Urbano) e Kit de emergência”. 

A propósito desta ação aconselhamos a leitura da publicação «Catástrofes e grandes desastres» de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada da Associação Portuguesa de Seguradores disponível na Biblioteca Escolar.

terça-feira, 8 de novembro de 2022

Histórias de Montes Abandonados

Enquanto se aguarda pela divulgação do vídeo Silgado: Histórias de um Monte Abandonado nas redes sociais, agendada para os próximos dias, teve início na passada sexta-feira, dia 4 de novembro, a gravação do testemunho da senhora Maria Balbina Guerreiro sobre o monte Mesquita, na freguesia de Vaqueiros, igualmente despovoado desde há alguns anos. A dona Maria Balbina apresentou-nos o monte onde nasceu e cresceu e recordou a vida que aí passou.

A realização destes vídeos, tal como os que se seguirão, insere-se no projeto «Raízes para o futuro» (CLDS-4G do concelho de Alcoutim), promovido pela Associação Alcance, e levado a cabo em parceria com as Bibliotecas Escolares de Alcoutim. O trabalho realizado pela Equipa da Biblioteca Escolar envolve sempre alunos que, no âmbito de disciplinas diversas, executam diferentes tarefas (pesquisa, elaboração de guiões, gravação áudio dos guiões, entre outras).

quarta-feira, 2 de novembro de 2022

Lenda das «Mil penas de Tsuru»

 Em Hiroshima existe uma estátua erigida em memória das crianças que morreram vítimas da bomba atómica no Parque Memorial da Paz também conhecida como Torre dos Tsurus.

A ideia surgiu a partir da história de Sadako Sasaki, uma criança vítima de leucemia fruto da exposição à radiação causada pelos ataques a Hiroshima, no Japão. Sadako, nos seus últimos meses, dedicou-se a dobrar 1000 tsurus, em troca de um desejo. 

Deixamos, aqui, a lenda japonesa que afirma que qualquer um que dobre mil tsurus de papel, terá o seu desejo concretizado pelos Deuses...


Conta a lenda que um camponês muito pobre vivia numa cabana humilde e o seu único alimento era algumas verduras que colhia da sua terra cansada.

Um dia, enquanto tentava plantar numa terra mais ao longe por achar menos árida, encontrou um grou com a asa partida. A ave não podia voar em busca de alimento, estava fraca e à beira da morte. O camponês sentindo compaixão por tamanho sofrimento, rapidamente colocou o grou nos seus braços e levou-o para a sua cabana. Cuidou da asinha e, pacientemente, colocou no seu bico algumas sementes. Com o passar dos dias, o grou melhorou porque a bondade do camponês o livrou da morte. Quando ele conseguiu voar, o camponês libertou-o.

Alguns dias depois, uma mulher adorável apareceu na sua cabana pedindo-lhe abrigo por uma noite. O camponês, por ser uma pessoa de bom coração, não negaria esta caridade a nenhuma pessoa. Porém, a beleza daquela mulher fez com que ele acreditasse que deixá-la dormir na sua humilde cabana era realmente uma honra.

Imediatamente após aquela noite, os dois apaixonaram –se e casaram-se. A noiva era delicada, atenciosa e tinha tanta disposição para o trabalho quanto era bonita. E assim eles viviam muito felizes. Mas para o camponês, que já tinha muita dificuldade quando vivia sozinho, ficou muito mais difícil ainda cobrir as despesas que sua nova vida de casado lhe trazia.

Preocupada com esta situação, a esposa disse ao marido que produziria um tecido especial, pois tecer era um trabalho comum para as mulheres nessa época. Ele poderia vendê-lo para ganhar dinheiro, mas ela alertou –o que precisaria fazer o seu trabalho em segredo, e que ninguém, nem mesmo ele, o seu marido, poderia vê-la tecer.

O homem construiu uma pequena cabana nos fundos da casa onde ela trabalhou trancada durante três dias. O marido só ouvia o som do tear a bater. A curiosidade e a saudade que tinha de sua bela mulher fazia com que estes dias demorassem muito para passar.

Quando o som da tecelagem parou, ela saiu com um lindo tecido entre os braços, de textura delicada, brilhante e com desenhos exóticos. A tecelã deu –lhe o nome de “Mil Penas de Tsuru”.

O marido então levou o tecido para a cidade. Os comerciantes ficaram surpreendidos e lutaram entre si para consegui-lo. O vencedor da disputa pelo tecido pagou com muitas moedas de ouro. O pobre homem não podia acreditar que tão de repente a sorte lhe começasse a sorrir. Desde então, a esposa passou a trabalhar no valioso tecido outras vezes. O casal podia, com o fruto da venda, viver em conforto. A mulher, porém, tornava-se dia após dia mais magra.

Um dia, a esposa tecelã disse ao marido que não poderia tecer durante um longo período de bom tempo. A mulher estava muito cansada. Os ossos doíam-lhe e a fraqueza quase a impedia de ficar em pé.

O camponês amava-a muito e acreditava naquilo que a esposa dizia, no entanto, tinha experimentado a cobiça. Tinha contraído algumas dívidas na cidade e pediu para que ela tecesse somente mais uma vez. A princípio ela não aceitou, mas perante a insistência do marido, cedeu e começou a tecer novamente.

Desta vez ela não saiu da pequena cabana no terceiro dia como era de costume, o homem ficou preocupado. Mais três dias se passaram sem que ela aparecesse e isso começou a deixar o marido desesperado.

No sétimo dia, sem saber o que fazer, o homem quebrou a promessa que fizera e espiou a mulher a tecer.

Para sua surpresa, viu que não era a sua mulher que estava a tecer. Arqueada sobre o tear encontrava-se um grou, muito parecido com aquele que o camponês tinha curado.

O homem mal pôde dormir à noite, pensando o que teria acontecido com a mulher que amava. Amaldiçoava-se por ter sido insaciável e praticamente ter obrigado a esposa amada a tecer uma vez mais.

Na manhã seguinte, a porta da cabana abriu-se e o camponês com o coração aos saltos fixou os olhos na porta, esperançoso em ver a esposa sair com vida.

A mulher saiu da cabana com profundas olheiras, trazendo o último tecido nas mãos trémulas. Entregou-o para o marido e disse, “Agora preciso de voltar, tu viste a minha verdadeira forma, sendo assim, eu não posso mais ficar contigo”.

Depois de dizer estas palavras, transformou-se na sua verdadeira forma para em seguida levantar voo exibindo um lindo rasto de pó cintilante deixando o camponês arrependido e lavado em eterna lágrimas.

Adaptado do texto de Maria Rosa (Artigo criado originalmente em 2006).


Principais fontes de pesquisa:

Site/Jornal: The Asahi Shimbun;

Livro: Mythis Legends of Japan de F. Hadland Davis;

Livro: Contes et légendes du Japon de Maurice Coyaud.


Ler não é assustador!


 

sábado, 29 de outubro de 2022

24 de outubro - Dia das Bibliotecas Escolares

No dia 24 de outubro, celebrámos o Dia das Bibliotecas Escolares com a vinda à Escola Básica professor Joaquim Moreira da Hindi, uma cadela de terapia da Associação Kokua. A psicóloga Daiana Ferreira, que afirmou ter o melhor trabalho do mundo, explicou aos alunos do 1.º ciclo a importância de um cão de terapia no desenvolvimento de competências emocionais e de aprendizagem. Os alunos descobriram os inúmeros talentos deste tipo de cães e debateram, muito ativamente, o efeito que os cães têm no crescimento emocional dos seres humanos. 


Na semana anterior, os alunos tinham ouvido a história «Madeline Finn e o Cão da Biblioteca» e, para além da história exploraram-se notícias, em diferentes suportes, relacionadas com maus tratos em animais. 

Liderados pela docente de Educação Especial tiveram, ainda, a oportunidade de confecionar biscoitos de cão que serão doados juntamente com outros bens que estão a ser angariados durante este mês. 


Esta atividade integra-se no Mês Internacional das Bibliotecas Escolares que celebra a Leitura para a Paz e Harmonia e inclui-se numa estratégia mais alargada do Agrupamento no desenvolvimento de competências sócio emocionais com os alunos. 

Semana da Saúde Mental

Integrada na Semana da Saúde Mental, organizada pela responsável pelo Programa de Competências Socioemocionais do Agrupamento, psicóloga Tânia Mateus, a Biblioteca Escolar participou no PeddyPaper com várias estações dedicada à leitura: o 1.º ciclo com a atividade «Emocionário», em que os alunos identificaram emoções e associaram-nas a capas de livros; o 2.º ciclo com «Poemário», em que os discentes completaram o poema de Sidónio Muralha «Crianças de todo o mundo»; e os alunos do 3.º ciclo  fizeram um mapa mental e criaram frases em redor da palavra Paz a partir da leitura do poema «Fazer as Pazes».